quarta-feira, 17 de junho de 2009

JUDY COLLINS

Sábado, 20 de Junho, 22:00h
Casa das Artes
V. N. Famalicão


Judy Collins, prodígio infantil ao piano, rapidamente trocou as teclas pela guitarra ao tomar contacto, nos anos 50, com a música folk interpretada por Pete Seeger e Woody Guthrie. Na Greenwich Village de Bob Dylan, Joan Baez ou Dave Van Ronk, tornou-se reconhecida pela sua capacidade interpretativa e pela tremenda expressividade da sua voz. Intimamente ligada aos sonhos e aspirações do seu tempo, conjugava a interpretação de clássicos da folk com uma criteriosa escolha de repertório, tanto gravando contemporâneos destacados, como Dylan e os Beatles, como lendas por descobrir, como os supracitados Cohen e Joni Mitchell.No seu mais fértil período criativo, em que contou com a colaboração de, por exemplo, Roger McGuinn, dos Byrds, ou Stephen Stills, dos Buffalo Springfield e dos Crosby Stills & Nash, gravou álbuns como "In My Life" ou "Who Knows Where The Time Goes", garantindo um lugar de destaque na história da música popular do século XX . Actualmente, apesar de editar esporadicamente, mantém um calendário de concertos intenso. O seu estatuto lendário mantém-se intocado, tendo sido inclusivamente homenageada pela geração de Devendra Banhart, responsável pela selecção do alinhamento de uma compilação que, em 2004, expôs o nascimento de uma nova vaga folk. Com o título "Golden Apples Of The Sun", o mesmo do segundo álbum de Judy Collins, a compilação tem canções de Joanna Newson, Six Organs Of Admittance ou Vetiver.
Judy não se fica pelas canções eternas. Também é representante da UNICEF, demonstrando um papel activo no empenho em projectos de apoio a causas humanitárias de extrema relevância. Uma das causas associadas ao seu nome é a campanha a favor da abolição das minas terrestres, flagelo pelo qual outras personalidades conhecidas lutam.
O álbum de tributo a Judy Collins - Uma colecção de musicas e poesias de Judy que inclui as participações de nomes como Leonard Cohen, Rufus Wainwright, Joan Baez entre outros, apresenta-se como uma obra fundamental para o reconhecimento da sua indelével longa carreira.
Judy Collins foi convidada e actuou na tomada de posse do presidente americano Bill Clinton, interpretando os temas "Amazing Grace" e "Chelsea Mornig".
Do seu vasto currículo é ainda relevante salientar o Grammy que lhe foi entregue em 1968 na categoria de melhor disco Folk “ Both Sides Now” e também a nomeação para um Oscar com a participação de Jill Godmillow no documentário “ Antonia A Portrait Of The Woman” 1975, baseada na vida da sua professora de piano Antonia Brico.
Mais informação em
http://www.judycollins.com/

EU VOU!

:)


3 comentários:

Astrid disse...

Eu perdi o "paitrocínio" aos 15, ok confesso:16! :))) Ai a minha rica carteira, ai o meu rico e escasso dinheirinho... ai a minha inclusão que me faz ter que fazer escolhas quando não me apetece nem um pouquinho... Acho que vou ter que viver em dilema ad eternum... :)))

Beijos, flores e estrelas *****

... pois e se eu te ver, grito bem alto para que fiques bem envergonhado, ok?! tipo assim: ó, tu do cântico negro, anda cá dar autógrafo... e não te faças de rogado, que não estou pra te aturar, ouviste?!... (mas com sotaque brasileiro, né?!....:))))))

fuiiiiii....

Helder Magalhaes disse...

Pode ser, pode! :) mas muito alto não... :))

à parte deste concerto da Judy, já se sabe que a cultura em Portugal sai cara! Ai sai, sai...


Beijo!, do
Helder

Astrid disse...

Pois! É o caso de dizermos que mais vale um gosto que uns tostões no bolso...

Beijos, flores e estrelas *****